play it again, sam

houve dias em que me sentava no banco redondo de madeira e ajustava a altura para que os dedos tocassem as teclas na perfeição. dias em que exercitava todos os dedos sobre as teclas e me obrigava a fazer soar sons que lia numa língua que interpretava com os dedos. libertava-me as tristezas e duplicava-me as alegrias. explodia de raiva, de loucura, de prazer, e permitia-me tudo isso sem ser ouvida, num procedimento simples que me isolava do mundo. abria a tampa da caixa de madeira e estendia uma cobertor entre os martelos e as cordas e teclava furiosamente numa fúria que só eu sabia.

fazem-me falta esses gritos de dor e aquelas gargalhadas de felicidade.

4 comments


  • _+*A Elite in Paris*+_

    As vezes pedidos tempos mais calmos na nossa vida mas quando chega, nem sempre é bom viver longe de alguns “extremos”! :)</></>Beijo meu ♥,</></>A Elite


  • Gin e Rum

    Chego a sentir sua intensidade…</></>Gritos estridentes.</>Gargalhadas espontâneas.</></>Não a conheço… mas quero-lhe intensa junto à caixa de madeira.</></>Um drink. Aos seus momentos…</></>Rum.


  • sininho

    que surpresa muito boa, marcos.</></>olá elite.</></>olá rum.


  • marcos osório

    Olá.</>Escreveste «fenomenal» no meu espaço, mas fenomenal é o teu blog (e será o teu livro de contos…)</></>Já agora, eu tive o privilégio de partilhar o exercício «dos dedos sobre as teclas» contigo, a dois… há muito o tempo atrás e diante de uma plateia.</>Que tontos éramos…


Leave a comment


Please note, comments must be approved before they are published


Do you want to customize a product with this amazing doodles?

Customize